Leptospirose canina - sintomas e contágio

Veja arquivos para cães

Quando falamos de saúde animal, não estamos nos referindo apenas à ausência de doença, mas também a um estado de bem-estar resultante da cobertura de todas as necessidades de nossos animais, tanto físicas quanto psicológicas e sociais.

Mas no que diz respeito à saúde física, devemos esclarecer que existem muito poucas doenças exclusivas dos seres humanos, para que nosso cão possa sofrer as mesmas patologias que nós.

Hoje, em milanospettacoli.com, falamos sobre os sintomas e a disseminação da leptospirose canina, uma doença de grande importância, pois é uma zoonose, ou seja, uma patologia que pode ser transmitida de animais para humanos.

O que é leptospirose canina

A leptospirose canina é uma doença infecciosa também conhecida como tifo de cães, causada por um gênero de bactéria chamada Leptospira, embora as que afetam comummente o cão sejam Leptospira Canicola e Leptospira Icterohaemorrhagiae .

Esse grupo de bactérias afeta a maioria dos mamíferos domésticos e selvagens, mas também animais de sangue frio e humanos.

A prevalência desta doença aumenta nos meses de altas temperaturas e é maior em cães machos, acredita-se que, devido aos hábitos de cheiro e lambida de urina, eles se comportem comportamentalmente.

Como ocorre o contágio

A disseminação da leptospirose canina ocorre quando as bactérias penetram no animal através da mucosa nasal, bucal, conjuntiva ou através da pele que apresenta algum tipo de ferida.

Através da mucosa, a bactéria atinge a corrente sanguínea e é distribuída através dela até atingir os diferentes órgãos e tecidos; uma vez neles, uma reação imune é produzida pelo animal.

Essa reação causa a morte do patógeno que causa a liberação de toxinas por ele e, caso as bactérias consigam evitar a resposta do sistema imunológico, serão depositadas no fígado e nos rins, o que causará distúrbios graves., como veremos mais adiante.

Contágio de leptospirose

A principal via de infecção da leptospirose entre animais é a água ou alimentos contaminados com a urina de outros animais doentes . A disseminação da leptospirose entre animais e humanos ocorre quando as pessoas entram em contato com água, comida ou urina contaminadas, embora também possam ser transmitidas pelo solo se essa superfície estiver infectada e tiver o hábito de andar descalço.

Como a principal via de transmissão é pela ingestão de água ou alimentos contaminados, deve-se tomar cuidado especial com crianças que vivem com animais.

Sintomas da leptospirose canina

Na maioria das vezes essa doença é subclínica, ou seja, sem mostrar sintomas, nos outros casos pode ser observado um curso agudo ou crônico da patologia, mas em ambas as situações o prognóstico é reservado, pois é uma doença com uma taxa de mortalidade muito alta, que varia entre 70 e 90% dos casos.

Os sintomas da leptospirose canina são os seguintes:

  • Febre
  • Perda de apetite
  • Vômitos e diarréia (às vezes com presença de sangue)
  • Urina escura
  • Sintomas de dor ao urinar
  • Hálito com cheiro de urina
  • Ulcerações na mucosa oral
  • Deterioração geral do animal

Os sintomas relacionados à micção são especialmente importantes, pois apresentam danos renais, o que implica um estado grave de todo o organismo.

Se notarmos em nosso cão algum destes sintomas, devemos procurar o veterinário com urgência, pois quanto mais cedo o tratamento correspondente for iniciado, mais chances o nosso animal terá de sobreviver.

Diagnóstico da doença

Para diagnosticar a leptospirose canina em nosso animal de estimação, o veterinário realizará um exame completo e levará em consideração todos os sintomas manifestados, mas também analisará a urina, que em caso de infecção mostrará um elevado número de proteínas e hemoglobina.

O diagnóstico definitivo é feito por um exame de sangue que mede os parâmetros sorológicos (anticorpos) ou por uma observação microscópica da urina, onde é possível observar a presença da bactéria leptospira.

Tratamento da leptospirose canina

O tratamento da leptospirose canina requer várias medidas farmacológicas e dietéticas .

Para começar, falaremos sobre a combinação de antibióticos de amplo espectro (penicilina e estreptomicina) para combater a infecção bacteriana. Também tentaremos reverter os sintomas e controlar os danos no fígado e nos rins. Finalmente, é importante oferecer uma dieta altamente nutritiva, mas pobre em proteínas.

Lembre-se de que o veterinário é a única pessoa treinada para poder recomendar um determinado tratamento ao seu cão.

Prevenção da leptospirose canina

Para prevenir a leptospirose canina, recomenda-se que o cão seja vacinado para esse fim; no entanto, as vacinas atualmente disponíveis têm uma limitação nos sorotipos, ou seja, não abrangem todas as bactérias do gênero Leptospira.

A vacinação também é uma prática altamente recomendada, embora as doses devam ser reforçadas a cada seis meses, e não anualmente. Para prevenir esta doença, a desinfecção periódica do ambiente do animal também é importante.

Este artigo é meramente informativo, em milanospettacoli.com.com não temos poder para prescrever tratamentos veterinários ou fazer qualquer tipo de diagnóstico. Convidamos você a levar seu animal de estimação ao veterinário, caso ele apresente algum tipo de condição ou desconforto.

Se você quiser ler mais artigos semelhantes à Leptospirose canina - sintomas e contágio, recomendamos que você entre na nossa seção sobre Doenças bacterianas.

Recomendado

Nomes originais para hamster
2019
Por que meu gato não tem leite para seus gatinhos?
2019
Anatomia Canina - Externa e Interna
2019